Os 10 jardins mais lindos do mundo


Versalhes, França

Os 101 hectares são recheados de caminhos que conduzem à flores e plantas bem alinhadas, com cantos decorados e estatuária clássica, além de lindos lagos ornamentais.

Singapore Botanic Garden
Considerado um dos mais bonitos jardins botânicos do mundo, o jardim botanico de singapura foi criado em 1859. Possui uma variedade de 60.000 orquídeas.

Descanso Garden Califórnia
A apenas 20 minutos de carro de Los Angeles, é possível encontrar um paraíso bucólico, com mais de 100.000 plantas e uma das maiores coleções de camélias do mundo. Os jardins e bosques se desdobram em mais de 65 hectares de San Rafael Hills.

Butchart Gardens, British Columbia, Canadá
O Butchart Gardens é um exemplo fascinante de um projeto de recuperação ocupando um espaço de uma antiga pedreira, hoje conta com mais de 700 diferentes plantas que florescem de março a outubro.

Villa D’Este, Itália

O Villa D ‘Este é embelezado por fascinantes chafarizes. Tem a Avenida das Cem Fontes, onde estátuas de cabeças de animais, lírios, um pequeno barco, bacias, e outros jorram água de maneira magnífica.

Dumbarton Oaks, Washington, D.C
É como entrar numa tela de pintura, em meio a árvores impressionantes e um verde intenso. Esta maravilha no extremo norte de Georgetown, torna o bairro de Washington um dos mais agradáveis.

Villa Ephrussi de Rothschild, França

Construido no início de 1900, pela baronesa Béatrice Ephrussi, Conta com inumeros caminhos que  serpenteiam através dos sete jardins temáticos, com caminhos de lírios, fontes dançantes e uma replica do tempo do amor o Trianon de Versalhes.

Stourhead Warminster, InglaterraStourhead foi feito para os nobres ingleses do século 18, sendo um grandioso exemplo do fascínio que o passado representa, com suas magnificas replicas do Panteão e o Templo de Apolo.

The Master-of-Nets Garden, China

Este belo jardim no sudeste da China, chamado Wangshiyuan em chinês, foi criado durante a dinastia Song (960-1270 dC). O arranjo dos pavilhões, salas de música, bosques de bambu, nos revela uma harmonia natural. A seção central é um pequeno mundo dentro de si mesmo, com pilhas de pedras amarelas formando “montanhas”,  cavernas, pontes em arco e lagos.

Sans Souci Potsdam, Alemanha

Frederico o Grande da Prússia construiu o esplêndido palácio e seu lindo jardim para ser sua casa de verão. Bustos de imperadores romanos, estátuas decorativas, e uma casa de chá chinês fazem parte deste esplendido jardim.

Anúncios

Pássaros tomando seu banho de chuva


“Eu sou um ser do Céu e da Terra, de raios e trovões, da chuva e do vento, das galáxias.” – Eden Ahbez


















Amor animal


“Pode a distância nos separar de quem amamos? Se quando queremos estar com quem amamos, já estamos lá” – Richard Bach















Uma bicicleta cultivada, não fabricada


O bambu pode ser um material um tanto questionável para fazer se bicicletas, mas alguns modelos muito descolados já andam por aí – existe até uma oficina de fabricação de bicicletas de bambu nos Estados Unidos. O aproveitamento das qualidades do bambu – material leve, forte e renovável – inspira o conceito desta bicicleta criada pelo estudante australiano de design Alexander Vittouris. Em vez de ser fabricada, a bicicleta “cresce”.

Em resposta aos custos energéticos relativamente altos com metal e com a montagem das bicicletas convencionais, a bicicleta Ajiro une a flexibilidade natural do bambu e o processo de crescimento ao ciclo de vida do produto. Usando técnicas de arboescultura, Vittouris prevê linhas de crescimento das estruturas de bambu que são “cultivadas” e esculpidas até assumirem sua forma final.

Segundo o site State of Green, a Ajiro será um “veículo cultivado”, moldado por tensão em um esqueleto interno, de maneira que as variações no processo de crescimento não terão de ser corrigidas por métodos que consumam muita energia, como vaporização ou calefação.

Além disso, a Ajiro possui uma capota sofisticada e e um espaço de armazenamento sob o banco que também são feitos de bambu trançado. Vittouri explica ao Australian Design Awards que a Ajiro também possui aprimoramentos em relação a outros velomóveis:

“O conceito de velomóvel implica uma fonte natural de força humana, que constrói uma ponte entre carros e bicicletas com a disponibilização de espaço de armazenamento e de uma cobertura protetora ao ciclista. Simplificando o pacote, as rodas traseiras da Ajiro atuam como mecanismos de direcionamento, enquanto a roda dianteira funciona como entrada de energia. Isso acaba com a complexidade de muitos veículos do gênero, que dependem de sistemas de corrente. Para conferir estabilidade em baixas velocidades, como exige o uso urbano, grande parte do peso do ciclista é posicionada sobre as rodas traseiras”.

Outras empresas já estão pensando na ideia de “deixar crescer, não fabricar”. Em geral, o design adorável da Ajiro, com uma nova visão inteligente – até mesmo de um meio já sustentável, como as bicicletas – pode ser desenvolvido para tornar sua fabricação menos poluente e dispendiosa em termos energéticos, e em mais harmonia com os processos e materiais naturais.

Fonte: Discovery Brasil

Cancun


Cancun ou Cancún, é uma cidade que fica na costa do estado de Quintana Roo, no México, em uma península que se tornou um dos centros turísticos mais importantes do mundo, tendo conseguido preservar suas belezas naturais e sua cultura ancestral, representada principalmente em cidades maias, como Tulum, Uxmal ou Chichén Itzá, fundadas no período pré-colombiano.


Em Cancun existem cerca de 22 quilômetros de praias de areia fina, divididos entre a lagoa e o mar. As ruínas, as praias, a vegetação, os parques cheios de espetáculos de entretenimento, o clima, a fauna marinha e a estrutura hoteleira fazem de Cancun um dos destinos turísticos mais visitados do mundo.

Cancun está situado na costa oriental do continente, por isso é influenciada pelas correntes oceânicas quentes, principalmente do Golfo do México, que promove um ambiente quente e chuvoso, tipicamente tropical.
O clima predominante do município de Benito Juárez está incluído no Grupo A, do tipo úmido AW, que é quente com chuva durante todo o ano, embora mais abundante no verão.


A média anual de temperatura varia em torno dos 27ºC. O total anual de precipitação chuvosa varia entre 1000 e 1300 mm. Predominam os ventos de leste e sudeste durante o verão, a área afetada por tempestades tropicais e ciclones. A temporada de furacões começa em meados de junho e os meses mais afetados são setembro e outubro.

Uma viagem a terra dos contos de fadas: Nova Zelândia


“Viajar é mais do que visitar pontos turísticos, é uma mudança profunda e permanente de nossas idéias sobre a vida.” Miriam Beard