Bebê canguru na bolsa da Mamãe


” O Amor de uma mãe a une eternamente ao seu filho, do ventre ao crescimento indo além da vida.” Ronaldo Santos

Anúncios

A Natureza e sua infinita beleza


“Nossa tarefa deve ser libertar-nos… ampliando o nosso círculo de compaixão para abraçar todas as criaturas vivas e toda a natureza e sua beleza.” Albert Einstein

Amor animal


“Pode a distância nos separar de quem amamos? Se quando queremos estar com quem amamos, já estamos lá” – Richard Bach















Chuva maravilhosa para lavar a alma


Todos querem a felicidade,

Ninguém quer sofrer,

Mas você não pode ter um Arco-Íris

Se antes não chover…

Lindo bebê hipopótamo brincando com sua mamãe


Os momentos mais engraçados do mundo animal


“Os olhos dos animais falam uma língua poderosa.” (Martin Buber)

Raros gatinhos nascem após embriões ficarem congelados por 6 anos


O Centro de Investigação de Espécies Ameaçadas de Audubon esta radiante com o nascimento de dois lindos e raros bebês. Dois gatinhos de pata preta africanos, espécie em risco de extinção. Estes são os primeiros filhotes de sua espécie a nascer a partir de um embrião congelado por meio da fertilização in vitro. O nascimento é o mais recente avanço no que se refere a reprodução assistida de espécies ameaçadas em todo o mundo.

Os gêmeos nasceram da mamãe de aluguel “Bijou” no dia 13 de fevereiro de 2011. Mas esta história começou em 2003, com a coleta e congelamento do esperma do pai Ramsés. O esperma foi descongelado em março de 2005 e utilizado para fertilizar o óvulo de Zora, uma gata de pata preta africana que vivia no centro de pesquisa. Desta vez os embriões foram congelados por mais 6 anos e só então foram transferidos para Bijou, a mamãe de aluguel em 7 de dezembro de 2010. Sessenta e nove dias depois, os dois filhotes se tornaram os primeiros da espécie a nascer como resultado desta técnica inovadora.

Com a rápida diminuição da população de espécies ameaçadas de extinção se torna muito importante utilizar a ciência como ferramenta na preservação das espécies. “Nós não sabemos qual será o futuro para muitas destas espécies, mas através da preservação do DNA e pesquisas sobre a criopreservação estamos aumentando consideralvelmente as chances de sobrevivência, mesmo de grupos de individuos que tenham sua populaçao diminuida a níveis perigosamente baixos.”

O programa de pesquisa de Audubon foi pioneiro em uma série de avanços da reprodução assistida, tendo seu foco principal nos pequenos felinos em extinção.

Estes raros gatinhos podem ser muito parecidos com gatinhos domésticos encontrados em qualquer lugar ao redor do mundo, mas seus números, de acordo com a Federação de Conservação dos Felinos, são muito baixos. Existem apenas 19 desses gatos em coleções zoológico nos Estados Unidos, e apenas 40 em todo o mundo. Nativo da África do Sul, é o menor dos felinos africanos.

Enquanto isso, os pequenos bebês estão sendo cuidados pela mamãe substituta e a equipe do centro de pesquisa, alegres sem saber de sua enorme contribuição para a ciência e proteção da sua espécie.

Fonte: Zooborns