O que aconteceria se trocássemos a Lua por planetas


“De que serve ao homem conquistar a Lua se acaba por perder a si mesmo?” – Ronaldo Santos

Lua

Lua

planetas_02

Marte, em vez da Lua

planetas_03

Vênus, em vez da Lua

planetas_04

Urano, em vez da Lua

planetas_05

Saturno, em vez da Lua

planetas_06

Júpiter, em vez da Lua

Após 18 anos, “Super Lua Cheia” acontece neste sábado


Foto: Nasa/Divulgação

A Lua vai chegar ao ponto mais próximo da Terra

Se você tiver a impressão que a Lua está um pouco maior e mais brilhante neste fim de semana, existe uma razão para isso. A Lua Cheia deste sábado será uma super “lua perigeu” – a maior em quase 20 anos. Este fenômeno é bem mais raro do que a famosa Lua Azul, que acontece uma vez a cada dois anos e meio. As informações são da CNN.

“A última Lua Cheia tão grande e tão perto da Terra ocorreu em março de 1993”, disse Geoff Chester, do Observatório Naval dos EUA, em Washington. “Eu diria que ela vale uma olhada.”

Segundo o pesquisador, no perigeu a Lua fica cerca de 50 mil km mais perto da Terra do que quando está no ponto mais distante de sua órbita, também conhecido como apogeu. “Luas perigeu são cerca de 30% mais brilhantes e podem parecer 14% maiores do que as Luas que ocorrem no lado do apogeu da órbita lunar,” diz o site da Nasa.

A Lua Cheia vai nascer no leste ao pôr do sol e deve parecer especialmente grande quando estiver próxima ao horizonte por causa do que é conhecido como “ilusão da lua”.

Mesmo que se tenha sensação de poder tocar o satélite, a Lua do sábado ainda estará a uma distância saudável – cerca de 356,577 km de distância.

A influência do satélite natural poderá ser sentido essencialmente nas marés, no entanto, os efeitos sobre a Terra são menores, e de acordo com estudos mais detalhados, a combinação da Lua estar em sua maior aproximação da Terra em sua configuração “lua cheia”, não deve afetar o equilíbrio interno da energia do planeta.

Fonte: Terra

Estudo revela como a lua cheia interfere no comportamento dos animais e do homem


Dizem que a lua cheia deixa as corujas mais falantes, os sapos mais brincalhões, e cães e gatos mais agressivos. Os lobos também ficam mais propensos a uivar. Moluscos, crustáceos, insetos, peixes, pássaros, mamíferos e anfíbios são todos influenciados pela lua, de acordo com os pesquisadores. E os humanos também estariam na mira lunar, com estatísticas que provam o aumento de casos de violência, de envenenamento, de internações em hospitais e baixa nos estoques dos supermercados na lua cheia. Seria mesmo culpa dela?

Os efeitos da lua são há muito tempo uma fonte de fascínio. A maioria das pessoas – metade dos estudantes e 80% dos profissionais de saúde, de acordo com dois estudos – acha que as fases da lua podem mesmo interferir no comportamento. Um novo estudo da Escola de Medicina da Universidade de Kioto prova que há, sim, uma alteração do campo geomagnético em períodos de lua cheia e que a atividade geomagnética cai 4% nos sete dias que antecedem a lua cheia e aumenta em quantidade similar logo após.

No estudo, os especialistas dizem: “Acreditamos que a lua aumente a sensibilidade de recepção magnética dos animais. Temos a hipótese de que os animais respondam à lua cheia por causa das mudanças nos campos geomagnéticos. Como isso interfere no comportamento ainda não está claro, mas uma das hipóteses é que essas alterações no campo eletromagnético interfiram na produção noturna de melatonina. A melatonina ajuda a regular outros hormônios e mantém o ritmo circadiano (o nosso relógio interno de 24 horas). E sua produção é afetada pela luz.”

A luz refletida pela lua cheia – cerca de 12 a 16 vezes mais potente em noites escuras do que a luz de outras fases lunares – também pode explicar a atividade dos lobos e de outros predadores. Estudos sugerem que os lobos vagam mais e têm mais dificuldade de localizar as presas quando é noite de lua cheia. Pesquisa da Fundação Zoo-Botânica, no Brasil, descobriu que os lobos ficam mais estáticos em noites de lua cheia em comparação com as noites de lua nova.

– Há um efeito da lua sobre vários animais – diz a bióloga Rachel Grant, que estudou e monitorou a ação do satélite na Open University. – Em muitos casos, é uma reação ao aumento de luz, que facilita a ação dos predadores, mas também ajuda as presas a se esconderem. Mas há mudanças menos óbvias também. Há espécies de sapos que preferem copular na lua cheia e acreditamos que isso seja devido a um ritmo interno que programa o ciclo reprodutivo dos anfíbios.

Fonte: O Globo